Grupo
05_17729798654e8b106f07854.jpg
06_17649310914e8b109835ec9.jpg
07_18339923957b5dd673b728.jpg
02_16067418245058b03cb07ae.jpg
04_5973322895058b04c13be6.jpg
09_3346800545058b05eafe48.jpg
11_14707682535058b06a013ff.jpg
12_157070824857b5ddafe27b2.jpg
13_14987539505058b08b2109b.jpg
14_10699926075061d2d883905.jpg
header1_3164082354c0c858061bd.jpg
header2_61566470154c0c86846030.jpg
03_681185263582363c215063.jpg
02_2085006950582363baf390b.jpg
01_1561509101582363a70b41b.jpg

MENSAGEM DO BOARD

Exmos.Senhores Acionistas,

O ano de 2017 foi muito positivo para o Grupo, voltámos a atingir resultados positivos e a gerar Free Cash Flow para cumprir os compromissos da atividade corrente. Consolidámos a atividade no segmento da indústria naval, dando resposta capaz quer na reparação quer na construção de navios de grande exigência técnica, dentro de prazos muito apertados, reforçámos a carteira de encomendas no segmento da construção metálica, ganhámos o primeiro contrato no setor do Oil & Gas e vencemos uma licitação na Argentina para um projeto de energia solar.

Continuámos a execução do Plano Estratégico adotado em 2015 e conseguimos uma redução significativa do endividamento, mantendo a tendência dos últimos anos.

Ao nível da atividade corrente, 2017 não foi um ano fácil mas foi seguramente menos complicado do que 2016, fruto da melhoria das condições da economia mundial, particularmente no setor da construção e da evolução positiva dos preços das commodities.

No entanto, alguns dos países com relevância para a atividade do Grupo, nomeadamente Angola que passa por um período complicado, penalizaram os resultados e obrigaram a algum esforço financeiro para aguentar a escassez de capital e restrições à saída de divisas do país. Por outro lado, o Reino Unido, que teve uma performance bastante positiva no segmento da construção metálica, e Portugal, no segmento da indústria naval, foram as geografias que mais contribuíram para os resultados apresentados.

Nota particular para o segmento da Renewables que foi o que maior contributo deu para os resultados.

O EBITDA foi positivo em pouco mais de 8,5 milhões de euros e quase duplicou quando comparado com o valor de 2016.

O segmento da Indústria Naval teve um desempenho muito positivo tendo aumentado quer o volume de negócios, quer o EBITDA face a 2016. Este segmento tem vindo a consolidar-se em resultado do excelente trabalho realizado nos estaleiros de Viana do Castelo e cada vez mais somos reconhecidos pela capacidade em executar projetos de grande complexidade técnica.

Na Construção Metálica, continuamos a enfrentar algumas dificuldades, dado tratar-se de um setor competitivo no qual a variável preço é muitas vezes valorizada em detrimento da qualidade técnica. Mesmo assim, consideramos que 2017 foi positivo, pois apesar de se ter verificado uma quebra ao nível do volume de negócios, melhorámos ao nível do EBITDA, o que significa que estamos a conseguir ser mais eficientes e a melhorar ao nível da produtividade. De realçar também o facto de termos ganho um

contrato para o fornecimento e a montagem de estrutura metálica para o Aeroporto Internacional de Genebra, o qual não só tem um valor significativo (45 milhões de euros), como é uma demonstração de confiança na engenharia nacional e na capacidade técnica do grupo Martifer.

No segmento da Renewables, tivemos um ano de grande sucesso, tendo conseguido resultados consolidados na ordem dos 10 milhões de euros. Destacamos a venda de dois projetos na América Latina, a alienação por parte da nossa associada Ventinveste da sociedade Âncora Wind que detém vários parques eólicos em Portugal e a vitória numa licitação de um projeto de energia solar de 100 MW, na Argentina.

Uma nota final de agradecimento a todos os nossos colaboradores e colegas, pelo empenho e pela dedicação demonstrados e a todos os nossos stakeholders pela confiança em nós depositada.


Relatório de Governo Societário 2016

Relatório de Sustentabilidade 2017